Sexta-feira, 11 de Agosto de 2006

Alberto Caeiro ...

 

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem  alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

 

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

 

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que sogue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo :  "Fui  eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.

 

Alberto Caeiro

Novas Poesias Inéditas

publicado por mar_te às 01:14
link do post | comentar | favorito
"As ondas quebravam uma a uma Eu estava só com a areia e com a espuma Do mar que cantava só para mim. " -Sophia de Mello Breyner Andresen-

.pesquisar

 

.links

.posts recentes

. Obrigada...

. Brandi Carlile

. Salvem os Ricos...

. Fim

. Lágrimas Ocultas

. Simplesmente...

. Eu queria ter o tempo e o...

. Muse - Unintended

. Adele - Cold Shoulder

. Morcheeba - Enjoy The Rid...

. Brandi Carlile - The Stor...

. Feliz dia Mundial da Cria...

. Flores...

. Eu Amo Tudo o Que Foi

. Mulher!!

. Silêncio e tanta gente

. A vontade...

. * _*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_...

. Desejo partir…

. Inscrição

.arquivos

blogs SAPO
Marinheiros

.subscrever feeds